quinta-feira, 15 de junho de 2017

Cacus - JOSÉ PEIXOTO e CARLOS ZÍNGARO


1 um1   4:09
2 dois2   2:41
3 três3   3:50
4 quatro4   4:07
5 cinco5   1:24
6 seis6   3:09
7 sete7   1:30
8 oito8   9:20
9 nove9   1:29
10 dez10   3:28
11 onze11   3:51
12 doze12   5:13
13 treze13   2:58         

Mais não fosse pelos dois nomes que assinam este registo, Cacus é um belo trabalho de improvisação em que a ordenação dos sons apenas obedece à criatividade artística de dois nomes credenciados da nova música Portuguesa improvisada. Editado originalmente em 2005, a beleza artística de Cacus começa por se manifestar na partilha musical entre José Peixoto, em guitarra clássica, e Carlos Zíngaro, no violino. Experiente guitarrista em variados campos musicais, José Peixoto começou por compor e gravar em casa todas as peças deste registo convidando, posteriormente, Carlos Zíngaro a colaborar nos temas já gravados enviando-lhe o trabalho e cedendo espaço para que o violinista execute livre improvisação sobre os treze temas apenas trabalhados originalmente em guitarra. No geral, manifesta-se como um registo contemporâneo de tendência experimental dominado por cordas.

terça-feira, 6 de junho de 2017

The Best Of - MARILLION


1 Garden Party (Edited Version)   4:31
2 Assassing (7" Version)   3:36
3 Kayleigh (Single Edit)   3:34
4 Lavender   3:40
5 Heart Of Lothian   3:34
6 Incommunicado   3:55
7 Sugar Mice (Radio Edit)   4:59
8 Warm Wet Circles (7" Remix)   4:21
9 Hooks In You (7" Version)   2:54
10 Easter (7" Edit)   4:28
11 Cover My Eyes (Pain & Heaven)   3:52
12 No One Can (Album Version)   4:40
13 Dry Land (7" Edit)   4:01
14 Sympathy   3:24
15 Alone Again In The Lap Of Luxury (Radio Edit)   4:26
16 Beautiful (Radio Edit)   4:22
17 Man Of A Thousand Faces   3:34
18 Between You And Me (Mark Kelly Mix)   4:12      

Edição em cd da retrospetiva que em setenta e dois minutos comprime as duas fases distintas da carreira dos britânicos Marillion. Apontando a dezoito dos muitos singles que a banda editou entre 1982 e 2001, o interesse deste registo manifesta-se nas prestações dos dois vocalistas que marcaram duas épocas claramente distintas no admirável percurso da banda. A primeira fase da banda, entre 1982 e 1988, tem na enorme presença do vocalista Fish uma figura marcante que liderou os Marillion na sua vertente mais artística. Foi a época em que a banda apostou numa sonoridade mais progressiva o que lhes valeu algumas comparações com os Genesis de Peter Gabriel. Os oito primeiros temas desta compilação dizem respeito a esta fase venerável. A difícil substituição de Fish recaiu em Steve Hogarth que liderou a banda na sua segunda existência entre 1989 e 2001, data de edição do último tema desta compilação. Hogarth encaminhou os Marillion para um novo rumo em que o rock mainstream ganhou alguma consistência e valeu à banda mais uma boa dose de êxitos, assim como um claro piscar de olho à abertura do tão desejado mercado norte-americano. Os temas incluídos nesta retrospetiva correspondem, na sua maioria, a misturas para singles e radio em vez das versões completas dos álbuns e no geral constituem uma boa mostra da versatilidade, e capacidade de adaptação, dos Marillion.

terça-feira, 30 de maio de 2017

Evolution - JOURNEY


1 Majestic   1:16
2 Too Late   2:57
3 Lovin', Touchin', Squeezin'   3:52
4 City Of The Angels   3:08
5 When You're Alone (It Ain't Easy)   3:10
6 Sweet And Simple   4:12
7 Lovin' You Is Easy   3:37
8 Just The Same Way   3:18
9 Do You Recall?   3:17
10 Daydream   4:41
11 Lady Luck   3:34 

Evolution é o quinto álbum de originais dos norte-americanos Journey, oficialmente editado em 1979. A banda é formada por músicos tecnicamente dotados e o seu som define-se como um Rock elegante, pensado e calculado para funcionar perante as massas. Utilizando uma fórmula vencedora, os Journey soam melosos quanto baste e empregam grandes doses de romantismo a um rock harmoniosamente perfeito que aqui começava a garantir êxitos aos registos da banda originária de San Francisco e Evolution firmou-se então como mais um grande passo em direção ao estatuto de super estrelas. Vários elementos passaram pelas fileiras da banda e em Evolution gravam pela segunda vez com o vocalista Steve Perry e pela primeira vez com o baterista Steve Smith, dois elementos preponderantes na sonoridade aqui obtida. Deste registo saiu o tema "Lovin', Touchin', Squeezin'", o primeiro single da banda a ocupar um lugar no Top20 americano, e outros sucessos, embora menores, como "Just The Same Way", "Too Late" e "Lovin' You Is Easy". 

terça-feira, 23 de maio de 2017

Reading, Writing and Arithmetic - THE SUNDAYS


1 Skin & Bones   4:16
2 Here's Where The Story Ends   3:54
3 Can't Be Sure   3:22
4 I Won   4:23
5 Hideous Towns   3:46
6 You're Not The Only One I Know   3:50
7 A Certain Someone   4:25
8 I Kicked A Boy   2:16
9 My Finest Hour   3:59
10 Joy   4:10

Editado originalmente em 1990, o álbum de estreia dos britânicos The Sundays é um simpático cartão de visita, embalado pelo caraterístico timbre da vocalista Harriet Wheeler e pelo carisma do single "Here's Where The Story Ends". A banda foi formada em 1987 tendo apenas apresentado o seu primeiro single, "Can't Be Sure", no ano anterior ao deste registo e que aqui aparece incluído no alinhamento. No início de uma nova década, os The Sundays apresentavam-se ainda como herdeiros da sonoridade pop indie mais inteligente que caraterizou o rico movimento musical britâncio da década de 80. É um trabalho sóbrio, dominado por etéreas canções pop, funcionais e inteligentes, onde as guitarras de David Gavurin tem um presença fulcral na estrutura final do registo. Contas feitas, é legítimo afirmar-se que aqui os The Sundays soam como uma fusão dos The Smiths com os Cocteau Twins.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Hot Trip To Heaven - LOVE AND ROCKETS


1 Body And Soul   14:14
2 Ugly   7:25
3 Trip And Glide   5:19
4 This Heaven   7:08
5 No Worries   7:13
6 Hot Trip To Heaven   7:34
7 Eclipse   2:18
8 Voodoo Baby   3:25
9 Be The Revolution   6:43
10 Set Me Free   2:44       

"Hot Trip To Heaven", o quinto registo oficial dos Love And Rockets, foi editado originalmente em 1994. O álbum reflete-se numa calorosa viagem, debaixo de um semblante carregado, em que a banda britânica aponta destemidamente a um novo estilo sob uma estrutura "pesada",  bastante minimal  e mais eletrónica do que o habitual. São reflexos evidentes da nova década, a banda não editava desde 1989. É um trabalho algo indefinido, com menos harmonias e bastante focado no movimento de dança britânico cujo groove dominou fortemente uma boa parte das bandas inglesas no arranque dessa mesma década. O registo é dominado por longos temas hipnóticos em downtempo que embalam o corpo e convidam a uma irresistível dança lenta e sensual. Depois, há o cool ambiente jazzy de "Voodoo Baby" que sugere alguma influência de Angelo Badalamenti...olá Twin Peaks...olá Audrey Horne...e a aragem oriental transmitida pela presença bem destacada de Natacha Atlas na percussão e em algumas vocalizações, um grande reforço no ambiente místico deste registo. Destaque para a pura magia de "Trip And Glide", para o magnetismo de "This Heaven" e para o distinto "Be The Revolution".  

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Earth . Sun . Moon - LOVE AND ROCKETS


1 Mirror People   4:05
The Light   4:13
3 Welcome Tomorrow   3:34
4 No New Tale To Tell   3:26
5 Here On Earth   3:05
6 Lazy   3:11
7 Waiting For The Flood   3:35
8 Rainbird   3:16
9 The Telephone Is Empty   3:56
10 Everybody Wants To Go To Heaven   5:10
11 Earth, Sun, Moon   3:30
12 Youth   4:37
13 Mirror People (Slow Version)   4:26      

Ao terceiro álbum de originais, editado em 1987, os Love And Rockets conseguem realmente atingir o céu. A descompressão acústica de "Earth, Sun, Moon" reflete a conjunção perfeita dos elementos naturais e a banda consegue aqui um registo celestial rico em distintas harmonias. A simplicidade das músicas é talhada na estética alva, quase angelical, com que a banda se apresenta. O registo inicia-se bem terreno com o arranque elétrico de "Mirror People" e a ascensão celestial começa a desenhar-se logo em "The Light", com "Welcome Tomorrow" e um notável "No New Tale To Tell" a darem igualmente um ar da sua graça no firmamento. "Here On Earth" e "Lazy" retornam discretamente à eletricidade terrestre mas daqui para a frente os temas sucedem-se numa espiral acústica com "Waiting For The Flood" e "Everybody Wants To Go To Heaven" a destacarem-se pela sua forte capacidade emocional. Uma nova mistura para "Mirror People" em slow version, ausente na edição original em vinil, fecha o registo em Cd.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Seventh Dream Of Teenage Heaven - LOVE AND ROCKETS


1 If There's A Heaven Above (Canada Mix)   4:27
2 A Private Future   5:04
3 The Dog-End Of Day Gone By   7:38
4 The Game   5:05
5 Ball Of Confusion (USA Mix) (N.Whitfield/B.Strong)   6:16
6 Seventh Dream Of Teenage Heaven   6:35
7 Haunted When The Minutes Drag   7:57
8 Saudade   4:55
9 God And Mr. Smith (Mars Mix)   4:48    

É inevitável falar dos Love And Rockets sem mencionar os Bauhaus. Após o final da mítica banda em 1983 e de uma tentativa de reunificação, recusada por Peter Murphy, os restantes elementos dos Bauhaus formam os Love And Rockets e em 1985 lançam "Seventh Dream Of Teenage Heaven", o primeiro registo oficial da nova banda. Logo à primeira audição percebe-se que o caminho dos Love And Rockets é outro. Para trás ficaram tempos mais nebulosos e sombrios que agora foram substituídos por um groove mais colorido e aberto onde a harmonia e o psicadelismo são a base de uma interessante Pop alternativa com laivo indie. Se os Bauhaus eram arte os Love And Rockets são rock'n roll. As vozes doces e melodiosas de Daniel Ash e David J. aliadas a uma poderosa secção rítmica que vive da criativa interação entre a bateria de Kevin Haskins e o baixo de David J. enquanto as guitarras de Daniel Ash conseguem manter algum do caráter habitual, e o som dos Love And Rockets está feito para encantar. Neste registo, a banda conta ainda com o apoio de John A. Rivers na produção e nos teclados. A edição em Cd contêm a excitante versão, editada originalmente em Maxi-Single, de "Ball Of Confusion", tema original dos Temptations, e uma nova mistura para "If There's A Heaven Above", agora descrita como "God And Mr.Smith" sob a forma de um instrumental com samplers. 
É caso para se dizer que os Bauhaus sem Peter Murphy soam a ... Love And Rockets.