quarta-feira, 23 de julho de 2014

Allies - CROSBY, STILLS & NASH


Side A
1 War Games (S.Stills)   2:18
2 Raise A Voice (G.Nash, S.Stills)   2:31
3 Turn Your Back On Love (S.Stills, G.Nash, M.Stergis)   5:04
4 Barrel Of Pain (G.Nash)   5:46 
5 Shadow Captain (D.Crosby, C.Doerge)   4:30
Side B
1 Dark Star (S.Stills)   4:48
2 Blackbird (J.Lennon/P.McCartney)   2:30
3 His Playing Good For Free (J.Mitchell)   3:48
4 Wasted On The Way (G.Nash, S.Stills)   2:37
5 For What It's Worth (S.Stills)   5:38 

Stephen Stills escreveu "War Games" como tema para o filme do mesmo nome em 1983, mas apesar da música chegar a aparecer nos clips de promoção do filme nunca chegou a integrar a sua banda sonora nem a aparecer no filme. Aproveitando este facto e ainda outro tema original gravado por Stephen Stills e Graham Nash na altura, "Raise a Voice", a editora aproveitou para juntar alguns temas captados ao vivo em 1977 e 1982 e preparou assim um novo registo do mítico Trio que foi editado nesse mesmo ano de 1983. Mesmo não sendo um album coerente, na medida em que são aproveitados três momentos distintos, Allies revela-se precioso por conter dois temas originais nunca antes editados, e os temas captados ao vivo entusiasmam por serem atraentes interpretações. 
"Turn Your Back On Love" e "Wasted On The Way" eram referências obrigatórias do albúm anterior, "Shadow Captain" e "His Playing Good For Free", ambos captados em 1977, foram a forma airosa de incorporar a prestação de David Crosby neste registo, que à data era o elemento mais apagado dos três devido ao seu conhecido envolvimento com drogas. Encantadora a expressiva interpretação a solo de Crosby no tema de Joni Mitchell. Expressivas as restantes interpretações; "Barrell of Pain" está cheia de alma e juntamente com "Dark Star" expressam ambas a intensidade da banda restando depois a harmoniosa interpretação de "Blackbird", que o Trio tomou emprestada ao Beatles já há muito anos, e a recuperação ao vivo do grande tema dos Buffalo Springfield de Stephen Stills e Neil Young, "For What It's Worth", para mais um vigoroso momento aqui registado.
Nota final para a banda(s) de suporte do Trio onde pontuam os nomes de Jeff Porcaro e Joe Vitale na Bateria, George "Chocolate" Perry no Baixo, Michael Finnigan, James Newton Howard e Craig Doerge nas Teclas, Danny Kortchmar e Michael Stergis em Guitarra Elétrica e Joe Lala e Efrain Toro nas Percussões.      

terça-feira, 15 de julho de 2014

New Traditionalists - DEVO


Side A
1 Through Being Cool   3:11
2 Jerkin' Back 'n' Forth   3:03
3 Pity You   2:45
4 Soft Things   3:24
5 Going Under   3:25
Side B
1 Race Of Doom   3:41
2 Love Without Anger   2:35
3 The Super Thing   4:19
4 Beautiful World   3.33
5 Enough Said   3:27  

Apresentando-se como novos tradicionalistas num mundo em constante de-evolução, tal como apregoam, os Devo mostram-se plásticos e artificiais quanto baste neste Lp editado em 1981, o quarto album da banda. Mergulhados numa Pop sintética em que os Sintetizadores são preponderantes os Devo expandem e contagiam com o seu som automatizado em pequenas canções, e foi desta forma que atravessaram a new wave através de uma atitude cool em temas como "Jerkin' Back 'n' Forth", "Going Under", "Race of Doom" ou "Love Without Anger" só para nomear algumas das peças mais importantes deste registo.    

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Leng Tch'e - NAKED CITY


1 Leng Tch'e   31:38

A obsessão de John Zorn e dos Naked City pela tortura foi sempre bem evidenciada nas capas dos seus albuns mas é em Leng Tch'e que se atinge o limite através da forte imagem real da última execução deste género executada em Beijing em 1905. O termo Leng Tch'e designa a execução com tortura de um traidor, ou criminoso, em que lhe são infligidos os mais variados cortes e golpes no corpo provocando o sangramento do executado até à sua morte, que antes da sua execução era doseado com ópio para poder resistir, extasiado, durante o máximo tempo possível a este cruel ato de punição. 
Os 31:38 Grindcore deste tema são inspirados nesta bárbara forma de execução Chinesa e os Naked City tentam transpor musicalmente esta brutalidade num tema contínuo de poderosa improvisação que vai crescendo de intensidade mas que ao mesmo tempo se mantêm constante, mesmo à medida em que Yamatsuka Eye e John Zorn, a meio do tema, se juntam ao resto da banda numa altura em que a qualquer momento se podia esperar uma espécie de êxtase geral mas tal não chega a suceder. 
Este Ep de uma só faixa foi editado juntamente com o albúm "Torture Garden" na edição dupla para colecionadores "Black Box" e também aparece na caixa de Cds, "Naked City - Complete Studio Recordings", que contêm a discografia integral da banda, onde foi inserida como a faixa numero dez no albúm "Absinthe".          

domingo, 6 de julho de 2014

Absinthe - NAKED CITY


1 Val de Travers   6:19
2 Une Correspondance   5:09   
3 La Feé Verte   5:12
4 Fleurs du Mal   4:08
5 Artemisia Absinthium   4:34
6 Notre Dame de l'Oubli (For Oliver Messiaen)   4:51
7 Verlaine, Pt1: Un MIDI Moins Dix   4:28
8 Verlaine, Pt2: La Bleue   6:03
9 ...Rend Fou   6:16      

Por mais invulgares que possam parecer os trabalhos dos Naked City, "Absinthe" destaca-se dos restantes pela sua inteligente abordagem, manifestamente artística e experimental, onde a harmonia cede totalmente o espaço perante a altivez da ambiência e do ruído. É uma autêntica alucinação sonora movida por momentos estáticos e inebriantes tendo o espirituoso Absinto como ponto central da concepção geral deste album. Os títulos dos nove temas que compõem este peculiar registo dos Naked City são todos eles referências diretas ao Absinto:
 -"Val de Travers", é o nome de uma região Suíça conhecida pela sua produção de Absinto.
 -"Une Correspondance", era um dos nomes de código utilizado para se pedir Absinto.
 -"La Feé Verte", (Green Fairy/Fada Verde) é um desígnio normalmente utilizado na literatura para o Absinto.
 -"Fleurs du Mal", título do famoso livro de Baudelaire, um conhecido consumidor de Absinto.
 -"Artemisia Absinthium", uma das plantas utilizadas como ingrediente na preparação do Absinto.
 -"Notre Dame de l'Oubli", outro desígnio utilizado para o Absinto.
 -"Verlaine, Pt1: Un MIDI Moins Dix", o Poeta Paul Verlaine foi outro conhecido consumidor de Absinto e a expressão "Un MIDI Moins Dix" outro código utilizado no consumo da bebida.
 -"Verlaine, Pt2: La Bleue, nova menção a Paul Verlaine e "La Bleue" é outro dos desígnios da bebida.
 -"...Rend Fou", o Absinto foi considerado como uma perigosa bebida que conduzia à loucura. 

"Absinthe" é pois um registo alucinante, tal como a bebida, em que divagamos estonteados pela insana ambiência criada pelo coletivo Norte-Americano.