domingo, 25 de janeiro de 2009

My Music - JOSÉ CID


Lado A
1 Too Many Nights 3:32
2 Ode To The Beatles 4:30
3 A Love To Share 2:40
4 Count James 3:33
5 Yesterday, Today And Tomorrow 3:25
Lado B
1 I Kissed Her Goodbye 4:08
2 So Nice, So Fair, So Gay 2:39
3 Sycamore Square 2:53
4 In My Hideway 2:16
5 Big Brother Joe 3:25

Em 1980, com o tema " Um Grande, Grande Amor " no Festival RTP da Canção e com um 7º lugar na Eurovisão entre 19 participantes, José Cid é tentado de novo à internacionalização. Grava entre Los Angeles e Paris o seu primeiro LP todo cantado em inglês intitulado " My Music ". É acompanhado nas lides musicais pelo antigo elemento dos Green Windows, Mike Sergeant, que tambem já tinha participado no memorável "10.000 Anos Depois Entre Vénus e Marte" de 1978.
Neste vynil de 1980 José Cid revela ainda mais a influência de Elton John e dos Beatles na sua forma de composição. No lado A deste disco temos um autor completamente liberto de preconceitos que canta, e toca Piano, de forma aberta e extrovertida. José Cid canta a plenos pulmões tal é a alegria de se poder expressar na lingua materna dos seus ídolos. "Ode To The Beatles" é a sua forma de homenagem aos quatro de Liverpool, através de um tema sustentado por uma base de composição tirada de alguns dos temas mais conhecidos dos Beatles. A letra é feita à base de títulos, e alguns excertos de letras, e harmonias, das músicas da banda Inglesa. Se já houvesse Sampler nesta altura tinha facilitado o trabalho. Muito interessante.
O lado A encerra curiosamente com dois temas mais antigos de José Cid. "Count James" é nem mais nem menos do que a versão Inglesa da "Lenda de El-Rei D.Sebastião". A parte musical é exactamente igual ao sucesso do Quarteto 1111, a letra é que sofre uma pequena alteração substituindo a personagem de D.Sebastião pela de Count James, tambem ele um grande conquistador. Outro tema aqui recuperado, sob versão Inglesa tambem, numa interpretação ao vivo, creio que no festival Midem, é "Ontem, Hoje e Amanhã" ou seja "Yesterday, Today and Tomorrow".
O lado B revela-se mais comedido, com um José Cid mais baladeiro e a cantar de forma mais controlada. "I Kissed Her Goodbye" inspira-se mais uma vez nas harmonias dos Beatles, e a guitarra de Sergeant chega mesmo a sugerir George Harrison. "So Nice, So Fair, So Gay" acaba por ser um título infeliz, com um conceito natural de inocência sem a conotação "agressiva" a que a utilização da palavra Gay sofre actualmente. Este lado B encerra com dois temas mais festivos que apesar de serem cantados, como os restantes temas do album, em Inglês não conseguem fugir à nossa Portugalidade.
É um album pouco conhecido, e com pouca informação. Seria interessante conhecer melhor o trajecto que este trabalho sofreu na altura.

3 comentários:

Pedro disse...

Também tenho esse disco e em breve irei fazer uma crítica ao mesmo no meru blogue. Ainda não sei bem qual o tema que escolherei, pois ainda estou em dúvida se o tema Big Brother Joe é mesmo o José Cid que está a cantar, ou será o Mike Seargent ?

Que lhe parece ?

Brother Wolf disse...

Olá caro Pedro. É muito escassa a informação acerca deste trabalho do José Cid, tal como referi no texto, portanto vai ser dificil confirmar quem faz o quê neste registo. Não me lembrar de já ter ouvido alguma vez o Mike Sergeant a cantar, não lhe conheço o timbre de voz, parece-me ser o José Cid quem de facto interpreta este tema, tal como o restante album. No entanto não deixa de ser curiosa a sua menção pois, neste mesmo tema, no inicio da parte instrumental, após o fim dos versos e antes da última interpretação do refrão, há uma voz com um sotaque devidamente Britânico e que sempre pensei que podia ser a de Mike Sergeant, que tem origem Escocesa. Um bem haja, e mantenha a sua divulgação de um artista que bem a merece.

MUSICA DO MUNDO *** cravosdeabrildemocratico@gmail.com *** disse...

Quem canta "Big Brother Joe" no LP My MUSIC de José Cid é o próprio José Cid, por acaso conheço a voz de Mike Sergeant, tenho dois singles dele da década de 70, acho que foram esses dois singles a única coisa que Mike Sergeant gravou como vocalista.